RYANAIR LANÇA 12 NOVAS ROTAS PARA PORTUGAL

A famosa empresa de aviação low cost irlandesa, Ryanair, tem apresentado na última década uma forte aposta em Portugal. Mais recentemente, o país aprece ter adquirido um boom turístico nos últimos cinco anos, fazendo deste um dos países do mundo a registar um maior aumento no número de turistas.
É precisamente para acompanhar esta tendência turística e para reforçar o estatuto privilegiado que Portugal ocupa nas rotas aéreas da companhia que a Ryanair vai lançar 12 rotas novas para Portugal, já a partir do próximo Verão. Tal como foi anunciado no dia 9 de Outubro, a Ryanair irá lançar novas rotas para os destinos de Alicante, Berlim, Bordéus, Brive, Cagliari, Clermont, Edimburgo, Londres Southend, Marraquexe, Milão Bergamo, Sevilha e Veneza Treviso, o que eleva o total de rotas operadas pela companhia em Portugal para 129. Isso representa um investimento de cerca de 100 milhões de euros por parte da Ryanair, a qual estima que o investimento se traduza num aumento de 11 milhões de passageiros.
A partir do Aeroporto de Faro haverá novas rotas para Berlim, Milão Bergamo e Londres Southend. O aeroporto, que foi alvo, recentemente, de obras, verá ainda uma maior frequência nas rotas que mantém com Birmingham, Dublin, Leeds e Manchester. Porque o Algarve é um dos destinos favoritos para passar férias dos britânicos, passará agora a estar conectado com três aeroportos londrinos: Luton, Southend e Stansted. Para celebrar as novas rotas, a Ryanair estabeleceu uma promoção com novos preços reduzidos para a bagagem de porão, sendo que um passageiro que queira viajar com uma mala até 20kg terá de pagar apenas 24,99€.
Na apresentação das rotas comerciais estabelecidas para o Verão de 2019, Michael O’Leary, CEO da low cost irlandesa, admitiu a importância deste novo investimento em Portugal face ao período difícil atravessado pela Ryanair, no último Verão, devido aos custos com combustível e pessoal, o que acabou por prejudicar os lucros da empresa. “O petróleo está a 85 dólares por barril, os preços estão a cair” salienta o próprio, acrescentando ainda que se trata de “um tempo difícil para as companhias aéreas”.
Recorde-se que o ano de 2018 da Ryanair tem sido marcado por várias greves, com a primeira paralisação da história da empresa a acontecer em Março e Abril deste ano, em Portugal, levada a cabo por tripulantes de cabine. A paralisação de 25 e 26 de Julho, que incluiu Portugal, teve uma adesão de cerca de 70%, e a última greve marcada para o dia 28 de Setembro obrigou a companhia a cancelar 190 voos, o que levou a que 30 mil passageiros fossem afectados. É por essas razões que Michael O’Leary frisa a importância de continuar a investir em Portugal, proporcionando assim que sejam criados empregos para as pessoas, e apelando ainda que se chegue a acordo com os sindicatos para que “acabemos com estas guerras sem sentido que não nos levam a lado nenhum”.